terça-feira, 22 de julho de 2014

Credo de Calcedônia


Credo de Calcedônia (451 dc): Fiéis aos santos pais, todos nós, perfeitamente unânimes, ensinamos que se deve confessar um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à divindade, e perfeito quanto à humanidade; verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, constando de alma racional e de corpo, consubstancial com o Pai, segundo a divindade, e consubstancial a nós, segundo a humanidade; em tudo semelhante a nós, excetuando o pecado; gerado segundo a divindade antes de todos os séculos pelo Pai, e nestes últimos dias, segundo a humanidade, por nós e para nossa salvação, nascido da Virgem Maria, mãe de Deus*; um só e o mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas naturezas, inconfundíveis, imutáveis, indivisíveis, inseparáveis; a distinção de naturezas de modo algum é anulada pela união, antes é preservada a propriedade de cada natureza, concorrendo para formar uma só pessoa e em uma subsistência; não separado nem dividido em duas pessoas, mas um só e o mesmo Filho, o Unigênito, Verbo de Deus, o Senhor Jesus Cristo, conforme os profetas desde o princípio acerca dele testemunharam, e o mesmo Senhor Jesus nos ensinou, e o credo dos santos pais nos transmitiu.

* Nota: Ao dizer “nascido da Virgem Maria, mãe de Deus”, o credo de Calcedônia não coloca Maria em pé de igualdade ou acima de Jesus Cristo. O objetivo desta afirmação é evitar ou desfazer qualquer confusão sobre a divindade-humanidade de Jesus Cristo, o qual mesmo nascido de mulher, sendo homem, não deixou de ser Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário